Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Adoção homoparental a votos

por Henrique Monteiro, em 23.01.15

bancadas1.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Anos de Cartoons



48 comentários

Sem imagem de perfil

De pila grande a 23.01.2015 às 13:08

preparem-se k kalker dia vai ser obrigatorio ser gay!
Sem imagem de perfil

De Luis a 23.01.2015 às 13:17

Acho que nesta questão temos de ser pragmáticos. O que acontece as crianças que andam nas instituições e quando chegam aos 18 são postas na rua? Neste caso temos pessoas interessadas em cuidar e educar. Na minha opinião às crianças adoptadas saiu a sorte grande.
Sem imagem de perfil

De Maria a 23.01.2015 às 14:32

Nem mais.
Trocam-se insultos e usam-se argumentos desprovidos de sentido, de lógica, de razão. Se formos à génese do problema: porque é que há crianças para adopção?! De certeza que é por não terem tido famílias sãs, "perfeitas", harmoniosas, em (e com) condições de as protegerem, cuidarem e assegurarem tudo o que elas precisam e merecem.
Sem imagem de perfil

De Leão Perplexo a 23.01.2015 às 13:37

Olá, caro Henrique. (Declaração de interesses: eu sou contra.)
Vejo sempre os seus cartoons com atenção. Regra geral, gosto. Contudo, com este, não me identifico com a abordagem nada isenta. Eu explico, tente ver na minha perspectiva, se achar útil:

- Então? Debatemos a ideia?
- Sim, claro.
- Mas são a maioria... E se não aceitarem?
- Chamamos-lhes nomes.

É muito provável que a sua ideia vingue, mais tarde ou mais cedo. Mas para já, a nossa maior diferença, é que o Henrique me acha um troglodita. E eu acho-o uma pessoa com uma opinião diferente da minha.
Sem imagem de perfil

De AP a 24.01.2015 às 09:29

e qual é o problema de chamar nomes? não existe liberdade de expressão?


;)
Sem imagem de perfil

De gasparzinho Fantas a 23.01.2015 às 13:37

Quanto ao cartoon, e aforma como pretende retratar a discussão sobre a adopção de crianças por homossexuais: TENHA VERGONHA.

Insulta os que são contra essa modificação legislativa baseado em quê? Em um princípio darwinista? Num princípio gayzola por si adoptado?
Num racismo social mal disfarçado? Numa falta de inteligência para abordar a questão com ironia focada na própria, em vez da qualificação das partes em confronto? Na falta de assunto? Na falta de ironia fina, inteligente, mordaz, mas dirigida à questão?

É nestas alturas que me recordo do dito popular "sapateiro, porque tocas rabecão"...
A sua música é de fanfarra num funeral, é baixa retórica em sede de Filosofia e de Vida, enfim, é desmerecedora do mester que aqui o ocupa, porque ninguém pretende que não use do seu discernimento ou do seu voto, simplesmente abdique de qualificar os outros de burros, no caso de trogloditas.
A continuar assim, o troglodita só pode ser Você, que não compreendeu nada agora, nem há semanas atrás: morrer pelo direito à sátira, à ironia, à denúncia do Outro, não se confunde com..."isto".

Lamentável. Peça desculpa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.01.2015 às 13:59

Este "anonimo" é de levar ao suicídio... Ainda há gente assi????
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.01.2015 às 04:43

Estes são os factos:

1-Há órfãos que estariam melhor numa família do que numa instituição.

2-Há famílias que seriam mais felizes com um filho adotivo do que sem ninguém.

3-Em Portugal, um casal heterosexual ou um adulto sozinho têm por lei o direito de adotar.

4-No entanto uma parte da população coloca a sua homofobia à frente da felicidade da criança e acha bem que se retire o direito à co-adoção só porque esse cônjuge faz na sua vida privada (no quarto) uma opção diferente.

E esta é a minha opinião:

1-Não sou gay, nem contra, nem a favor da homosexualidade. Aliás, acho que ninguém tem nada a haver com as escolhas sexuais dos outros, seja algo gay, bondage, solo, hetero, swing, etc. Sou 100% liberal em relação às escolhas de vida de cada indivíduo.

Nota: só não sou liberal em relação ao movimento de capital, pois isso tem sido uma da desgraças da Europa. Se há coisa que precisa de leis e restrições é a fuga aos impostos dessa liberdade resultante. Em Portugal é a causa n°1 dda existência de défice. Se Sonaes, PTs, Jerónimo Martins e outras tivessem sede fiscal em Portugal, em vez de num paraíso fiscal, o nosso défice acabava de um ano para o outro e ainda sobrava dinheiro.

2-Acho que tirar um direito a alguém, seja por discriminação sexual, racial, de género, idade ou outra qualquer é nada mais que uma estupidez que só revela ignorância.

3-Não faz sentido um casal gay poder casar, um dos elementos poder adotar e se esse morrer, devido à proibição da co-adoção, essa criança ser afastada de um dos pais ou mães e poder ter de voltar a um orfanato, só porque alguém, da espécie australopiteco, coloca o seu prepreconceito à frente de tudo o resto. Portanto, sou 100% a favor da co-adoção pelo 2° conjuge do casal gay.

4-No entanto, sou contra a reprodução medicamente assistida se for paga pelo estado a estes casais. Se são livres de escolher a sua sexualidade, devem libertar os outros desse encargo financeiro, sendo os próprios a pagar todos os encargos. Há outras prioridades para o orçamento do SNS neste momento, algumas das quais são a diferença entra a vida e a morte.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.01.2015 às 14:22

Isto é o que acontece em sociedades decadentes em que a moralidade começa a ser um conceito obsoleto e o relativismo impera, que em outras palavras; eventualmente tudo acaba por ser permitido.

Homosexualidade ou sodomia é errado, tanto a nível moral como a nível social.
Creio que o cartoon está invertido, os retrógados correspondem aos liberais que dizem que sim ao errado, e recusam-se a pensar em questões como;
- o obrigar a crianças a cresceram sem um pai nem uma mãe sem lhes perguntar.
- o exemplo e as perversidades inerentes à homosexualidade.
- homosexualidade= abolição da familia e combate à reposição geracional.

A agenda homosexual está a ser impingida a todos; quer pelos média, hipócrita marxista politicamente correcto ou através de acções politicas com agenda.
Sem imagem de perfil

De HomofobicoOuTalvezNao a 26.01.2015 às 11:45

O cartoon ilustra alguns dos mitos urbanos criados pelos apoiantes do assunto para insultarem aqueles que discordam da adopção por homossexuais:

"Se não concordam, são homofóbicos!" - para esta gente, não há meio termo. Lembra-me George Bush Jr. a incitar os aliados para as invasões ao Afeganistao e ao Iraque: ou estão connosco, estão contra nós!

"São todos uns homossexuais de armário!" - De facto são os homens que mais vociferam contra este tipo de adopção, mas isso é apenas porque as senhoras são mais comedidas. Das senhoras que eu conheço, há mais delas que são contra do que as que se abstém, e nenhuma a favor. Querer reduzir isto a uma questão masculina é atirar areia para os olhos.

E depois há um rol interminável de parvoíces que se dizem por aí:

"é melhor do que as crianças estarem institucionalizadas" - como se os heterossexuais não estivessem interessados em adoptar e não houvessem milhares de processos em curso, ou como se fossem os homossexuais a tirar das instituições as crianças indesejadas (as feias, as problemáticas, as doentes) tretas!, essas vão lá continuar.

"as crianças precisam de amor e carinho" - como se isso fosse um exclusivo dos homossexuais e que os heterossexuais só as sabem tratar mal.

E muito mais se pode dizer da argumentária desta gente, que sempre ziguezageou...primeiro queriam a adopção porque era um "Direito" de igualdade dos homossexuais, depois mudaram a retórica porque o que estava em causa era o superior interesse da criança, qualquer dia inventam outro argumento qualquer.

Por mim mantenho o que sempre disse: criança educada numa família homossexual tem muito mais probailidades de se tornar homossexual do que se estiver nuuma instituição ou numa família heterossexual (Psicologia, teoria do Comportamento Humano). Portanto, a menos que a orientação da Sociedade seja incutir a homossexualidade nas crianças, não faz sentido este tipo de adopção.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2015 às 13:44

Foi precisamente isso que quis dizer no meu comentário. Ninguém deseja que os comportamentos homossexuais do casal gay/lésbico toldem a imagem que a criança tem de homens e mulheres, só porque vive com aves raras... A imagem e o comportamento do casal são determinantes para a formação das definições de género que ela vai ter. O que eu quis dizer com aquelas imagens mais "gráficas" foi que testemunhar trocas de afectos entre o casal homossexual (e "curtir" passa precisamente por isso, embora nunca se saiba muito bem com que sentido os jovens usam o termo-- já que tanto pode significar trocas de mimos como sexo mesmo) é inadequado para uma criança.

Mas claro que os paneleiros tinham de ficar logo todos assanhados! É incrível que até os comunistas votaram a favor da proposta (na Rússia a homossexualidade é crime, o que acho errado, ninguém devia ser punido por causa da ementa, agora deixem é os outros em paz!). O Bloco de Esquerda ainda percebo, são só gays, lésbicas, transsexuais, hippies, drogados, por mim deviam era ir todos para a Holanda, que é onde estão bem. Mas parece que a Holanda já não é o que era como refugo da Europa. Lembro-me de ter ouvido que estava a ser ultrapassada já não me lembro por que país...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2015 às 13:51

ah, e gostaria ainda de dar graças a todos os deuses pelo corretor ortográfico desta página, é muito bom! Pena que seja refém do novo acordo ortográfico...
Sem imagem de perfil

De Xesko a 28.01.2015 às 17:57

Tal como já referi há tempos, o cartunista é bom (a qualidade do desenho) o argumentista uma m****, volto a dar-lhe o mesmo conselho, contrate alguém para escrever as ideias e limite-se a fazer os desenhos, ganhava mais com isso.

Comentar post


Pág. 2/2



Publicidade


No facebook


Cartoons Família e Desporto






Pesquisar cartoons

  Pesquisar no Blog