Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Mulher da semana: Ana Moura

por Henrique Monteiro, em 24.08.08

 

Ana Moura tem um tom de voz rouco, um blue velvet lusitano, mas a mansidão é rompida quando começa a soar um fado lisboeta. De cantar e beleza hipnóticos, a fadista tem seduzido públicos pelo mundo e reúne em si passado e futuro como uma curiosa ação do destino.

 

Texto de Priscilla Santos.

 

É certo que o mundo não passa de um amontoado de coincidências espantosas que, se bem reparadas, nos levam a concluir que o controle de tudo deve ser executado por alguém que, se algum dia foi irônico, hoje não passa de um grande contador de piadas sem graça. Quando a família real portuguesa rumou para o Brasil há duzentos anos, deixou entre os lusitanos aquela boa idéia de também irem viver na América como eles foram. Em terras tropicais chegaram tantos portugueses que, em 1870, metade dos homens residentes no Rio de Janeiro era formada por estrangeiros d´álem mar e, uma vez moradores numa terra cheia de africanos, acabaram conhecendo o lundu, música cheia de lascívia que os negros cantavam fosse a noites de festa, de funeral ou dias santos. Devem ter gostado do que ouviram porque, de volta a Portugal, mal esperaram para ver no que daria a mistura das modinhas indecentes com quilos de dolência lisboeta, coisas pela beira da depressão maníaca.

 

O instrumento que apareceu para a fusão fora a guitarra portuguesa; essa, por sua vez, já transitava naquelas terras desde que os mouros, como eram conhecidos os árabes, resolveram amarrar os camelos em algumas árvores da Península Ibérica. Dedilhavam suas canções emotivas ao alaúde até que alguns cristãos, muito aborrecidos com todos aqueles seguidores de Maomé, resolvessem expulsa-los – se bem que alguns desses mesmos cristãos vivessem vidas felizes ao lado de duas ou três esposas islamitas. Lares desfeitos depois, o que restou àqueles árabes cancioneiros foi uma pequena zona em Portugal, onde se instalaram. A ela foi dado o nome de Mouraria. Por aquelas ruas, enquanto algumas prostitutas eram esfaqueadas, Maria Severa Onofriana ouvia o lundu brasileiro acompanhado pelas cordas árabes. Cantaria os primeiros fados.

 

Ana Moura não nasceu no bairro da Mouraria, entretanto junta as mãos para depois abri-las num movimento com os braços a gesticular e começa a falar com uma voz pausada e diz: o fado é a minha vida, é a minha forma de estar na vida, de eu me expressar. As palavras parecem bem medidas e pensadas e o som que fazem é de um aveludado sensual. Ela é tão contida e imprime tons tão fortes no que diz que o resultado é perturbador.

 

Aos 28 anos, natural de Santarém, Ana hoje substitui com freqüência essa sua voz mansa por uma outra, potente, que canta com profundidade a declaração “eu sou do fado”; mas nem sempre foi assim. Embora tendo crescido em uma família que cultivava reuniões regadas a muita cantoria, a moça desde cedo envolveu-se com estilos musicais diversos e, na adolescência, agarrara-se ao rock e ao pop. O fado eram certamente presença constante em sua casa, mas aqueles eram anos de Kurt Cobain, Soundgarden, Hole, dentre outros adventos musicais devidamente copilados pela MTV, chegada a Europa em 1987. Uma concorrência nada leal...

 

Mas o mundo é um amontoado de coincidências e, às vezes, as piadas que os deuses fazem têm lá sua graça. Numa festa de Natal cheia de canjas musicais, Ana Moura foi arrastada por amigos e familiares até o microfone mais próximo para cantar um fado descompromissado. Estavam presentes naquela vadiagem musical um punhado de fadistas, poetas entre outros amantes da noite que, de orelha em pé, convenceram a jovem roqueira a ir se apresentar alguns dias da semana na casa Senhor Vinho. Era ali que aprenderia algo além das audições que fizera até então do tradicional estilo; era ali que iria descobrir uma paixão latente pelo canto tão melancólico quanto poderoso do fado lisboeta.

Numa daquelas noites no Senhor Vinho, estava à casa Maria da Fé, quem, impressionada com o talento ao palco, dispôs a lapidar definitivamente o evidente dom de Ana Moura. O sucesso não tardou: a estréia com “Guarda-me na mão” (2003) seria o portal por onde o segundo disco, “Aconteceu” (2005), iria passar e encontrar uma audiência muito além do público português. Casa lotada no Carnegie Hall em Nova Iorque, o mesmo no Concertgebouw, em Amsterdam. A partir daí, a vida de Moura já tinha virado de ponta a cabeça e as viagens se tornariam uma constante inevitável.

 

“Para Além da Saudade”, lançado em 2007 e gravado entre uma aterrissagem e outra, representa o álbum de consagração definitiva da fadista; hoje Ana Moura tem conquistado mais e mais pessoas ao redor do globo. Uma dessas pessoas é Mick Jagger quem a convidou para uma doce participação no show dos Stones em junho último e lá fizeram um dueto para "No Expectations" diante de uma platéia de 30 mil pessoas. Desse modo é difícil não criar expectativas, e Ana as tem em alta conta. A artista quer que tudo corra com perfeição, embora admita que é uma tarefa nem sempre possível. Disco de platina "Para além da saudade" retrata a maturidade de Ana como uma fadista capaz de marcar impetuosamente suas faixas com um estilo bem contemporâneo (ela é do fado, mas as veias do rock saltam através da postura que tem ao cantar) e que visita, ao mesmo tempo, o passado ao conjurar xales rendados e canções míticas. Ana Moura está no encontro do que foi e do que pode ser atualmente o fado; Estados Unidos, Holanda, França, Bélgica, Alemanha, Espanha, México e China se rendem às seduções dessa belíssima moça que carrega a história de sua música no nome.

 

Caricatura publicada sexta-feira no Obvious.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Anos de Cartoons

2008 | 2009 | 2010 | 2011 | 2012 | 2013 | 2014 | 2015 | 2016 | 2017 | 2018


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.08.2008 às 07:09

Parece a Gal costa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.08.2008 às 07:14

HM--Não está lá nada, caricaturar mulheres é complicado.
Imagem de perfil

De Henrique Monteiro a 24.08.2008 às 14:42

Bem mais do que ser anónimo.
Imagem de perfil

De touaqui42 a 24.08.2008 às 09:57

Ó HM desculpa lá mas não conheço esta fadista.
Conheci o Alberto Ribeiro Marceneiro Fernando Farinha Herminia Silva etc etc etc (etc a Amália Rodrigues).
Sem imagem de perfil

De Gaja Tuga a 24.08.2008 às 13:16

Apesar do seu virtuosismo habitual na escrita, a autora peca por algumas imprecisões históricas.

Quanto à caricatura, não percebo porque tem sido criticada nos comentários que já recebeu. Eu identifiquei logo a Ana Moura. Está muito bom.
Sem imagem de perfil

De priscilla a 24.08.2008 às 16:01

olá, Gaja Tuga! obrigada pelo comentário, pelo adjetivo tão prálem de mim. agora, fiquei curiosa pra saber das imprecisões históricas... gosto muito dessas percepções. um abraço.
Sem imagem de perfil

De Gaja Tuga a 24.08.2008 às 20:11

Olá Priscilla!

É, de facto, complicado resumir em poucas linhas a história do fado. Impossível até. Mas penso que o essencial para compreendermos o contexto histórico e socio-cultural em que o fado surgiu está lá. Apenas pouco preciso, a meu ver.

Também não sou perita na matéria, tenho de admitir. Conheço um pouco e foi isso que me levou a fazer notar que existem imprecisões.

De facto, não nos podemos cingir a este rectangulozinho à beira-mar plantado para falarmos das origens do fado. Temos mesmo de rumar a Àfrica e ao Brasil e falar desse grande intercâmbio de melodias e sentimentos que se proporcionou na altura e deu origem não só ao fado como a outros géneros musicais encontrados nos trópicos, como por exemplo o chourinho brasileiro ou as mornas caboverdianas, tão emboídos dessa melancolia conformada que dizem ser tão característica dos portugueses.

Quanto aos mouros, eles não foram expulsos após a reconquista cristã. Alguns foram, de facto, à semelhança dos judeus que também cá se tinham radicado. Mas não todos. Muitos cá ficaram, a habitarem as várias mourarias que então se criaram, ou convertidos e, finalmente, misturando-se com os restantes querendo eu com isto dizer que, antes de nos irmos mestiçar com os povos dos trópicos, já éramos nós próprios, portugueses, o resultado da mestiçagem entre mouros, judeus e os cristãos descendentes dos visigodos que haviam resistido nos Montes Cantábricos à ocupação árabe e protagonizado a reconquista cristã. Isto só para mencionar alguns dos povos que estão na nossa origem. Trazemos esses mouros no sangue.

E quanto ao bairro popular lisboeta que terá dado à luz o fado, pelo que sei, os especialistas inclinam-se mais, de momento, para Alfama. Foi lá que, dizem, se começaram a reunir trabalhadores que, no século XIX, vieram para a capital, após a revolução industrial, procurar trabalho e, de noite, cantavam as agruras da sua vida de operário, pobre e resenraízado, longe da terra onde nasceram, da família, isolados e explorados. Daí o fado ser, nos seus primórdios, tão rico em crítica social.

Isto é que eu posso dizer sobre o fado, de momento. Agradeço as devidas correcções a quem assim achar necessário. Como eu disse, não sou perita na matéria.

Um abraço, Priscilla, e continuação do bom trabalho. Gosto da forma coloquial e a jeito de gracejo com que escreves.

Sem imagem de perfil

De priscilla a 14.09.2008 às 05:35

Gaja,
eu tive uma amiga pra quem eu disse certa vez que pareço um hipopótamo realizando os movimento. mil anos para realizar um movimento simples do tipo coçar a sola dos pés. Por isso a demora para responder teu comentário.

Fico bastante irritada quando vejo imprecisões históricas em textos que se pretendem saber do assunto em questão. Mas, como você disse, difícil resumir em alguns parágrafos a história duma corrente musical como fado mas, na história há isso, adaptar-se ao veículo, ao que se trata, ao público leitor. É isso que tento fazer todas as vezes que vou buscar na História alguma explicação, complemento ou ligação que coincide com o assunto.
Aqui o assunto era a Ana Moura, o cartoon, de modo que tive de correr com o fado e sintetizá-lo em três linhas. Podia ter feito outra coisa e não agredir a história, mas sou teimosa. Ainda não entendi a coisa da imprecisão, entretanto...
Não disse que todos os árabes foram expulsos da Península, mesmo porque vai depois o texto dizendo que alguns deles ficaram lá em zonas específicas (como Alfama, como Mouraria).
Outra parte que não entendi foi a da mestiçagem.. em nenhum momento pus oposições étnicas. Oposições religiosas, sem dúvidas, mas não étnicas, se bem que poderia tê-lo feito. A sua defesa de que os portugueses são fruto de uma mestiçagem entre visigodos, médio-orientais e judeus é também um discurso muito recente, e nisso eu te podia também apontar um anacronismo: à época do surgimento do fado, branco era branco e o resto era simplesmente o resto: à eles pão e pedra. Isso não vem ao caso.

Quanto ao bairro, como nem os especialistas chegaram ainda a uma conclusão, tomei a liberdade de bater o martelo porque assim autorizou-nos o Dan Brown: bater o martelo onde houver um buraco onde ele possa ser batido.

Não sou também perita na matéria, não chego nem a estudante junior. O final do século XIX para mim já é o início de um abismo de incompreensão, fui nas tentativas.

Agradeço imensamente o seu comentário, esse assunto é interessantíssimo, poderíamos debater mais se você quiser, vou adorar, poderíamos trocar o que sabemos e o que não sabemos para transformar e aumentar o conhecimento concreto uma da outra. Adoraria.

E também agradeço o elogio muito generoso e elegante. Mais uma vez, me perdoe a demora, o quase 1 mês para dar uma resposta, perdoe.

Abraços
Sem imagem de perfil

De Juliana Stanzani a 24.08.2008 às 16:35

Um queijo com goiabada pra vocês.
Sem imagem de perfil

De Francisca a 25.08.2008 às 10:18

Ola HM! Eu acho que o cartoon esta muito bom!!!! Vê-se logo que é a grande fadista Ana Moura!!! Gostei muito! Parabens!! Sugestao para a proxima MS: Madonna. Bjs e continuação de bom trabalho!!
Imagem de perfil

De umbreveolhar a 25.08.2008 às 14:24

Tendo muita consideração pelos meus amigos/as que constam na minha lista, agora renovada, desejo que as férias tenham sido óptimas, e no caso de ainda não terem terminado, uma boa continuação e que tudo decorra pelo melhor. Os amigos que têm a gentileza de responder aos meus comentários, como é o caso e que também comentam o meu humilde blog, merecem bem a minha amizade. Voltarei brevemente, pois ainda não me encontro em Braga.
Cumprimentos.
CAB

Sem imagem de perfil

De João Ribeiro a 25.08.2008 às 17:38

Gostei do cartoon, que como é apanágio do artista, está muito bom. Mas, gostei também do texto da Priscilla, que como é hábito, é uma artista da escrita!
No entanto, e depois de me encetarem a curiosidade sobre este tema, fui pesquisar, e achei curiosa a tese de que o fado teria origens Celtas, o que me parece possível. Convidava-vos a verem em www.portaldofado.pt.
Um abraço, do Joca
Sem imagem de perfil

De João Ribeiro a 25.08.2008 às 17:39

Gostei do cartoon, que como é apanágio do artista, está muito bom. Mas, gostei também do texto da Priscilla, que como é hábito, é uma artista da escrita!
No entanto, e depois de me encetarem a curiosidade sobre este tema, fui pesquisar, e achei curiosa a tese de que o fado teria origens Celtas, o que me parece possível. Convidava-vos a verem em www.portaldofado.net.

Um abraço
Sem imagem de perfil

De Gaja Tuga a 25.08.2008 às 20:30

Parece-me rebuscado...

Para o autor, tudo parece ter origem celta. Acredito que possam haver influências, mas é só. E o dele não é o único estudo antropológico do fado. Só é pena não me conseguir lembrar do título de nenhum, pelo que peço perdão...
Sem imagem de perfil

De priscilla a 14.09.2008 às 05:40

hahahaha

"tudo tem origem celta"
vou visitar esse lugar... conheço bem esse tipo de especialistas. trabalho numa área em que certo grupo acredita que tudo tem origem africana, o sushi tem origem africana, inclusive.

o que gosto é de perceber o quanto culturas tão diferentes acabaram desenvolvendo culturas musicas tão parecidas, daí o fascínio em perceber o que une o fado, o lundu, a música árabe clássica e a música hindi. dá a impressão de Pangéia, a terra onde os continentes eram interligados, a Torre de Babel. mas esses foram povos que se tocaram e, mais tarde, desenvolveram construções inconfundíveis mas vindas duma mesma essência.

Comentar post



Publicidade


No facebook


Cartoons Família e Desporto






Pesquisar cartoons

  Pesquisar no Blog